A MÁQUINA DE CONTAR HISTÓRIAS

Maurício Gomyde

Editora: Novo Conceito

Páginas: 192

Ano: 2014

Sinopse:

Na noite em que o escritor best-seller Vinícius Becker lançou A Máquina de Contar Histórias , o novo romance e livro mais aguardado do ano, sua esposa Viviana faleceu sozinha num quarto de hospital. Odiado em casa por tantas ausências para cuidar da carreira literária, ele vê o chão se abrir sob seus pés. Sem o grande amor da sua vida, sem o carinho das filhas, sem amigos... O lugar pelo qual ele tanto lutou revela-se aquele em que nunca desejou estar. Vinícius teve o mundo nas mãos, e agora, sozinho, precisa se reinventar para reconquistar o amor das filhas e seu espaço no coração da família . Uma história emocionante, cheia de significados entrelaçados pela literatura, mostrando que o amor de um pai, por mais dura que seja a situação, nunca morre nem se perde.

“O céu escuro, preenchido por nuvens carregadas em cinza cobalto, transformou-se em testemunha de um crime sem culpados: uma família voltando em frangalhos para a realidade de uma vida que seguiria ninguém sabia como.”

(Página 23)

Nada melhor do que ler uma história que traz reflexões importantes e te levam a enxergar de outra maneira as consequências das escolhas que você tem feito ao longo da vida, chegando à conclusão de que algo precisa mudar. Deixar essa marca no leitor é uma das coisas mais extraordinárias que um escritor pode conseguir.

Uma das primeiras resenhas que fiz como colunista do Resenhando por Marina foi de um livro do Maurício GomydeSurpreendente! (Leia a resenha clicando aqui). É um dos meus favoritos da vida e foi meu primeiro contato com sua escrita. Naturalmente, ao me deparar com A Máquina de Contar Histórias, as expectativas estavam lá em cima.

Bom, o que posso dizer sobre isso é que, assim que concluí a leitura, necessitei de alguns dias para dar aquela respirada e organizar as emoções e sentimentos que a Família V me trouxe.

“— A gente não aprende lendo, aprende vivendo. E a vida, por mais que uma quantidade enorme de pessoas acredite nisso, não é feita de métodos, fórmulas, dicas ou listas de recomendações. Ela é feita de sentimentos pelas pessoas que estão ao lado, ou por aquelas que estão longe, mas que, só por pensarem na gente, já fazem toda a diferença.”

(Página 68)

A rotina do autor best seller Vinícius Becker lhe custou muitos momentos perdidos com a família. Viviana, sua esposa e maior incentivadora, padeceu de uma grave doença, lutou por anos a fio e veio a falecer. A negação à doença de Viviana e o medo de encarar o inevitável o distanciaram cada vez mais da convivência dentro de casa, especialmente com as filhas Valentina e Vida. Jogar-se com afinco no trabalho lhe parecia a melhor fuga.

Valentina é adolescente e foi quem acompanhou de perto cada momento da doença da mãe. A ausência do pai durante todo esse tempo e, mais ainda, no momento em que Viviana faleceu, foi combustível para a revolta que já sentia. Aos poucos foi perdendo a admiração por Vinícius, tanto como pai quanto como escritor. Vida é muito pequena, ainda não tem muita noção das coisas, mas essa ausência também foi significativa.

A dor em perceber que falhou como marido e como pai leva Vinícius a tentar resgatar o convívio com a família, especialmente o amor das filhas e, de certa forma, o perdão de Viviana.

“Por mais forte que eu possa parecer em meus livros, estou completamente sem chão.”

(Página 78)

O autor conduz uma narrativa como ninguém. Mantém o leitor ávido do início ao fim da trama, trazendo à tona todo tipo de reações. Ele nos mostra a difícil trajetória do protagonista com uma sensibilidade única, rara.

A narrativa é em terceira pessoa, sob o ponto de vista do Vinícius, mas alguns trechos nos permitem perceber esse aspecto da Valentina também. Muitas citações que marquei ao longo da leitura são dessa personagem. Há muitas falas impactantes, especialmente no que se refere à difícil relação que há entre o pai e a filha adolescente.

Além disso, uma das coisas mais interessantes nos livros do autor – e que eu não poderia deixar de citar – são as referências culturais que ele traz. Música, literatura… A leitura acaba sendo bem mais rica do que se espera.

“— Escrever é muito mais do que uma profissão. É uma atitude de amor, de entrega ao que se quer contar. (…) O que você escreve pode até ser bonito, mas você é incapaz de amar e entender o que uma pessoa como eu pensa e sente.”

(Página 95)

Em nossa rotina maluca, cheia de responsabilidades e contas a pagar, muitas vezes deixamos de lado as coisas que realmente importam. Isso soa bem clichê, mas é a pura verdade.

A viagem da Família V e as reflexões que o protagonista fez ao longo da história, o ensinaram a perceber muito sobre o Vinícius escritor. “O Cara” das técnicas de escrita. O autor que leva seus leitores às lágrimas, mas que não se emociona com o que escreve. Foi nos segredos mais íntimos da filha mais velha que ele foi descobrindo mais sobre si mesmo e sobre o real sentido da vida. Impossível não aprender junto!

LIVRÃO! AMEI!♥

“— Eu acredito demais nas minhas coisas, nos meus textos, na forma como eu passei a enxergar a vida desde quando você me ensinou o que é o verdadeiro amor por uma pessoa. Eu sou, sim, capaz de amar! E, quantas vezes puder escrever ou falar sobre isso, eu vou fazer.”

(Páginas 174/175)

2 Comentários

  1. Marina Mafra19 jan, 2019Responder
    • Le20 jan, 2019Responder

deixe seu comentário