Box – As Grandes Histórias De Sherlock Holmes

Editora: Pandorga

Páginas: 448

Ano: 2019

Sinopse:

Este box contém as histórias: Um estudo em vermelho, O signo dos quatro e O cão dos Baskerville. Mais de 130 anos após sua criação, Sherlock Holmes continua sendo o detetive ficcional mais popular da história. A obra de Sir Arthur Conan Doyle contempla gêneros diversos, porém, seu maior reconhecimento vem dos contos e romances do detetive Sherlock Holmes e seu fiel parceiro e amigo, o Dr. Watson. A primeira aparição dos personagens se dá em Um Estudo em Vermelho, publicado em 1887, que introduziu ao público aqueles que se tornariam os mais conhecidos personagens de histórias de detetive da literatura universal. Doyle não esconde que a obra de Edgar Allan Poe teve grande influência em sua escrita. O personagem de Monsieur C. Auguste Dupin, dos Assassinatos na Rua Morgue, em muito ajudou a compor Holmes, no que diz respeito à técnica do “princípio da dedução”, utilizada para resolver os casos, mas é com Holmes e Watson que o método é imortalizado. Em O signo dos quatro, Holmes está ainda mais confiante em sua técnica e se envolve em uma aventura repleta de drama e suspense, com direito a uma cinematográfica perseguição pelo Tâmisa. Em O cão dos Baskerville, considerado best-seller e melhor romance policial já escrito, Holmes volta em um enredo de horror gótico em que as pistas são estranhas e os suspeitos não são poucos. Baseado em lendas locais sobre cães sobrenaturais e fantasmas que buscam vingança, é mais um caso brilhante para o imbatível detetive de Baker Street resolver.

Esse box traz um clássico dos romances policiais: as obras de Sherlock Holmes, um dos maiores detetives da literatura policial. Contendo as três principais aventuras desse espetacular detetive, Um estudo em vermelho, O signo dos quatro e O cão dos Baskerville.

Em Um estudo em vermelho, somos apresentados a historia através das memórias do Dr. John Watson, um médico que serviu no exercito. Após ser ferido em uma batalha, é afastado e enviado a um hospital. Nosso Dr. Watson, voltou a Inglaterra para se recuperar e procurando um companheiro de quarto, por acaso do destino acabou conhecendo Sherlock Holmes, que logo no primeiro momento nos mostra seu dom da dedução:

“— Como está? — disse ele cordialmente, apertando-me a mão com uma força de que não o julgaria capaz. — Vejo que andou pelo Afeganistão.

— Como sabe? — perguntei-lhe, atônito.”

Na mesma hora o Dr. Watson percebeu o grande intelecto e genialidade do homem a sua frente e com o tempo se tornou o braço direito do mesmo. Um certo dia, dois investigadores da polícia de Scotland Yard surgiram a porta de nossos cavalheiros na Baker Street 221B com um assassinato misterioso a ser desvendado, e os mesmos partiram juntos para descobrirem o mistério.

A ciência da dedução é algo tão espetacular que ao criar um personagem considerado “gênio”, o autor nos mostra que o verdadeiro gênio é ele por ser tão incrível ao desenvolver uma historia fantástica como a de Holmes. Desde sua publicação em 1888, o mistério de um assassinato sem qualquer evidências de suspeitos, onde um corpo é encontrado sem ferimentos em uma casa abandonada, despertou o interesse e paixão dos fãs de romances policiais. Arthur Conan Doyle criou o enredo perfeito com os personagens mais cativantes possíveis, que atraíram gerações de fãs ao longo dos anos.

Já em O signo dos quatro, Holmes está ainda mais confiante em sua técnica de dedução e se envolve em uma aventura repleta de drama e suspense: assassinatos, as figuras de um pigmeu e um homem com perna de pau, roubo, traições, com direito a uma cinematográfica perseguição pelo famoso Tâmisa. Nessa história é que a capacidade dedutiva de Holmes ganha proporções épicas.

O cão dos Baskerville é considerado o melhor romance policial já escrito, Holmes volta em um enredo de horror gótico em que as pistas são estranhas e os suspeitos não são poucos. Baseado em lendas locais sobre cães sobrenaturais e fantasmas que buscam vingança, é mais um caso genial para o imbatível detetive de Baker Street e seu fiel companheiro resolverem.

4 Comentários

  1. Marina Mafra03 jan, 2020Responder
  2. Nicole Oliveira09 jan, 2020Responder

deixe seu comentário