DangeRock 3

M.S.Fayes

Editora: Pandorga

Páginas: 360

Ano: 2018

Sinopse:

Phil Jansen sempre foi conhecido como o cabeça de vento da banda DangeRock. Despojado e de espírito livre, nunca quis se ver preso a ninguém, visto que seu coração já havia sido fechado há muito tempo para este sentimento tão nobre. Estava difícil, porém, lidar com toda a magnitude das flores e corações flutuantes que permeavam o ambiente do ônibus em turnê, já que os amigos estavam rendidos e mais apaixonados que os casais célebres estampados nos cartões de Dia dos Namorados. Brooke lutava uma batalha diária contra a vontade de "matar" o pai de Liv. O líder da banda de Rock era um cretino de primeira categoria, e ela fazia de tudo para não estar no mesmo lugar, especialmente se envolvesse shows e bandas de Rock. Até que um dia, por um acaso do destino, deu de encontro ao baixista da DangeRock, Phil, e Brooke viu sua vida virada de ponta a cabeça. Entre intrigas, inveja, ambições e armações que os bastidores de uma turnê podem oferecer, nenhum dos dois estava preparado para o florescer de um sentimento que ambos juravam não lhes pertencer. Liv poderia ser a desculpa que os unia, mas no fundo, o encontro dos dois era o propósito para que cada um tivesse suas feridas da alma e do coração, curadas.

DangeRock é uma banda de muito sucesso. No livro 1 conhecemos melhor Eve (cantora) e Brandon (guitarrista), no livro 2 é a vez de entrar na intimidade de Malcom (baterista) e nesse, termina a trilogia com todo o charme de Phil (baixista).

Eu era uma figura inabalável. Todos pensavam que nada pudesse me atingir com força suficiente para me tirar o chão.

Phil brilha de todas as formas possíveis e embora seja um símbolo sexual, guarda um passado trágico que o tornou fechado para o amor. Mas há um ponto fraco nesse monumento humano, ele não consegue controlar os instintos quando o assunto é crianças, culpa do seu sobrinho fofo, que tem o tio por inteiro.

Quando o destino coloca Brooke e a pequena Liv na sua vida, Phil tem seu coração invadido e conquistado antes que consiga se proteger. Ele enfrenta uma guerra com o pai de Liv, um músico nojento e sem responsabilidade, que só passa a fazer questão da menina, quando a mídia a descobre pelo contato com Phil e o monstro vê a chance de conquistar popularidade às custas dela.

Phil surpreende mostrando um lado mais sério e emociona quando precisa se libertar das dores do passado.

Brooke se apaixona pelo que ele faz pela sua Liv e por todo o resto que, convenhamos, não seria difícil, né? Haha Phil já era maravilhoso, mostrando esse lado homão da poha, seria impossível não desejá-lo! Mas Phil, que já se encontrava desarmado pela relação com a Liv, se torna vulnerável aos encantos de Brooke e nos encanta com um romance fofíssimo que a autora sabe criar como ninguém. Nosso monumento humano não mediu esforços para proteger a sua moça e a bebê Liv, nos derretendo no processo.

A escrita se mantém engraçada e fofa, embora as situações abordadas sejam extremamente sérias. Sou suspeita para falar da Martinha, mas ela tem o dom de nos fazer sonhar com seus personagens carismáticos e desejar ser as donzelas das histórias.

Phil fechou com chave de ouro essa trilogia, deixando um gostinho de quero mais e muita saudade da minha banda favorita!

Somos o resultado daquilo que queremos ser e pelo qual lutamos.

01 Comentário

  1. Martinha10 set, 2018Responder

deixe seu comentário