Eu Perdi o Rumo

Gayle Forman

Editora: Arqueiro

Páginas: 272

Ano: 2018

Sinopse:

Freya perdeu a voz no meio das gravações de seu álbum de estreia. Harun planeja fugir de casa para encontrar o garoto que ama. Nathaniel acaba de chegar a Nova York com uma mochila, um plano elaborado em meio ao desespero e nada a perder. Os três se esbarram por acaso no Central Park e, ao longo de um único dia, lentamente revelam trechos do passado que não conseguiram enfrentar sozinhos. Juntos, eles começam a entender que a saída do lugar triste e escuro em que se acham pode estar no gesto de ajudar o próximo a descobrir o próprio caminho. Contado a partir de três perspectivas diferentes, o romance inédito de Gayle Forman aborda o poder da amizade e a audácia de ser fiel a si mesmo. Eu Perdi o Rumo marca a volta de Gayle aos livros jovens, que a consagraram internacionalmente, e traz a prosa elegante que seus fãs conhecem e amam.

Olá meu caro leitor, como tem passado? Está se lembrando que agora minhas resenhas possuem um novo formato? Se quiser saber mais sobre a história além das minhas considerações, dê uma olhadinha na sinopse aqui na parte amarela logo acima.

“Apaga a postagem, esperando que ninguém tenha sido rápido o bastante para tirar um print da tela ou compartilhar o conteúdo, mas sabe que nada na internet desaparece. Ao contrário da vida real.” (p. 10)

Eu sempre quis conhecer a escrita da Gayle Forman, já ouvi muitos comentários positivos sobre o modo como ela usa a sensibilidade do ser humano em suas histórias. Quando a Editora Arqueiro anunciou que lançaria um novo livro dela, me prometi que leria. E ao ler a sinopse, tive a certeza de que realmente precisava desse livro.

“Os três podem ser perfeitos desconhecidos, com vidas diferentes e problemas diferentes, mas ali, naquele consultório, estão medindo a tristeza da mesma forma. Estão medindo em perdas.” (p. 70)

Eu perdi o rumo é um daqueles livros curtos e tão viciantes que você acaba lendo em apenas um dia (embora eu tenha demorado dois, vida de universitária). A história de três pessoas diferentes, com vidas distintas e que nunca se viram, mas por um acaso do destino seus caminhos se entrelaçam e elas percebem que a vida nunca é o que parece.

“As pessoas tem que ser pacientes umas com as outras. Compreender que às vezes a situação, sai dos trilhos, que certas coisas não podem ser apressadas. Que uma pessoa pressionada acaba cometendo erros.” (p. 136)

Perder o rumo para Freya, Harun e Nathaniel, foi quando perceberam que suas vidas já não eram mais as mesmas. Muitas vezes a gente se sente perdido, sem caminhos, sem saber em qual direção seguir. Alguns permanecem sempre assim, estagnados. Outros procuram encontrar o seu lugar no mundo.

“Os segredos entalham fissuras, que se tornam valas, que se transformam em canais, que viram rachaduras, e de repente você está só, sobre um bloco de gelo, separado de todas as pessoas que ama.” (p. 166)

Uma das partes que mais me chamaram a atenção nesse livro, foi a história do sapo. Se você colocar um sapo em uma panela com água fervendo, ele obviamente pulara de lá, mas se você colocá-lo em uma panela com água fria e deixar esquentando aos poucos, o sapo irá se adaptar a temperatura da água, até quando ela estiver quente o suficiente para matá-lo.

“- Todos nós morremos. É a única certeza que temos na vida, e é a única coisa que temos em comum com todo o resto do planeta.” (p. 176)

Gayle usou essa pequena história do sapo, para retratar a vida do ser humano. Quando somos postos em uma situação perigosa logo de cara, nossa primeira reação é pularmos fora, corrermos e nunca mais voltarmos. Agora se essa mesma situação não apresenta o perigo inicialmente, o ser humano tende a se acomodar, e só perceber a furada que entrou, quando é tarde demais para escapar.

236 paginas não foram o bastante perto do quanto eu gostei desse livro. Ao mesmo tempo em que fico querendo uma continuação, sinto que a história terminou da melhor forma possível. Posso dizer-lhes francamente que minha primeira experiência com a escrita da Gayle Forman foi linda. Recomendo de todo o coração que venham conhecer a história de Freya, Harun e Nathaniel.

“Meu coração era defeituoso; não por amar a pessoa errada, mas por bater no peito de um covarde.” (p. 222)

01 Comentário

  1. Le17 out, 2018Responder

deixe seu comentário