Mulher Maravilha

Leigh Bardugo

Editora: Arqueiro

Páginas: 400

Ano: 2017

Sinopse:

Antes de se tornar a Mulher-Maravilha, ela era apenas Diana. Filha da deusa Hipólita, Diana deseja apenas se provar entre suas irmãs guerreiras. Mas quando a oportunidade finalmente chega, ela joga fora sua chance de glória ao quebrar uma lei das amazonas e salvar Alia Keralis, uma simples mortal. No entanto, Alia está longe de ser uma garota comum. Ela é uma semente da guerra, descendente da infame Helena de Troia, destinada a trazer uma era de derramamento de sangue e miséria. Agora cabe a Diana salvar todos e dar seu primeiro passo como a maior heroína que o mundo já conheceu.

Resenha:

“- Não existe alegria em ter nascido mortal. Você jamais terá que conhecer a aflição que é ser humana. Dentre todas nós, apenas você jamais conhecerá a dor da morte.” (Página 47)

Registros informam que a primeira aparição de um herói fantasiado foi no ano de 1903. Desde então, a era dos super-heróis cresceu e se popularizou de uma forma grandiosa. Porém, somente em meados de 1941 é que surgiria a super-heroína mais famosa da história da humanidade; a Mulher-Maravilha, alter ego da princesa Diana de Temiscira.

Em Mulher-Maravilha Sementes da Guerra somos apresentados a uma visão totalmente diferente daquela mulher forte e poderosa que conhecemos, para termos uma noção sobre a vida dela enquanto era apenas Diana, a princesa de Temiscira.

“Não podemos passar a vida inteira nos escondendo, imaginando o que poderíamos conquistar se tivéssemos a chance. Precisamos nos arriscar.” (Página 61)

Sendo filha de Hipólita, a rainha das amazonas, tudo o que Diana mais queria era se mostrar forte como as suas irmãs guerreiras, já que não havia conquistado o seu direito de amazona pela forma tradicional.

Quando o momento de provar o seu valor chega, ela dispensa a grande oportunidade que teria, para salvar uma mortal de um naufrágio. E é ai que as coisas mudam, a mortal chamada Alia Keralis não era uma garota comum, mas sim uma Semente da Guerra, descendente de Helena de tróia. O destino de Alia era trazer uma era de sangue e caos para a terra e para Temiscira.

“As outras amazonas sempre a enxergariam assim: não como uma irmã de verdade, mas como a filha de sua rainha. Ela sempre seria uma intrusa, um ponto fraco a ser explorado.” (Página 87)

Em um simples ato humano, Diana sentenciou o universo ao extermínio. Porém, havia uma forma de solucionar isso, a maldição do sangue das Sementes da Guerra precisaria ser quebrada.

Diana e Alia se juntam para quebrarem essa maldição e salvarem os seus dois universos. Em uma aventura épica, cheia de conflitos, caos, perseguições, tanto de mortais como de seres divinos, essas duas garotas mostram o quanto são fortes e dispostas a colocarem um ponto final nessa futura guerra.

“- Está fazendo cosplay? – perguntou a garota atrás do balcão mascando chiclete.
Diana se encolheu.
– Desculpe, o que?
– Você é uma princesa guerreira?
– Como você descobriu?
– Ficou legal – respondeu a balconista.” (Página 113)

Alia conta com a ajuda de Jason, seu irmão centrado e correto, Nim, sua melhor amiga sempre disposta a ajudá-la com qualquer coisa, desde roupas novas a lutar por sua vida, e Theo, o melhor amigo de seu irmão, um cara engraçado e rei da tecnologia. Os quatro juntamente com Diana, vivem diversas aventuras de quase morte, mas permanecem sempre fortes, afinal o destino do mundo corre perigo.

Sou uma garota geek com muito orgulho, cresci nesse mundo de super-heróis e pretendo permanecer nele até meus últimos dias de vida. hahah Quando vi o lançamento desse livro eu praticamente surtei de ansiedade para ler. Poxa, é mais uma história da maior heroína de todos os tempos, quem não iria querer ler?

“Porque os outros sempre olharão. Sempre julgarão. Então cabe a você escolher: se calar ou responder.” (Página 171)

Leigh Bardugo criou uma nova versão da Diana que me fez pensar bastante sobre o assunto. A todo o momento a vemos como a poderosa Mulher-Maravilha e não nos damos conta de que as coisas não foram sempre assim. Diana não virou uma amazona, ela nasceu sendo uma. E a perspectiva dessa realidade que a autora trouxe se tornou algo fantástico durante a história.

A origem de Alia foi algo que me encantou e aterrorizou ao mesmo tempo. Como uma menina doce, meiga e amorosa poderia levar um fardo tão grande? Sofri com as angústias  e medos dessa personagem que se tornou tão querida em minha vida.

“Não podemos evitar a forma como nascemos ou o que somos. Mas podemos escolher o rumo de nossas vidas.” (Página 193)

E não pensem que o tão amado plot twist ficaria de fora dessa história. Meus caros se preparem psicologicamente para quando algumas revelações vierem à tona. Se eu surtei? Se quis entrar no livro e estapear certo personagem? Mas é claro, normal de um leitor. haha Leigh me enganou a história inteira, e quando uma máscara foi caída, eu só consegui pensar: por que isso meu Deus?

Recomendo essa história a todos os fãs de super-heróis ou apenas aos interessados mesmo. hahah Em breve a resenha de Batman vem por aí. E quem já leu esse livro ou tem vontade de ler? Contem-me.

 “- O que ela é? – murmurou ele entre os dentes, tão baixo que apenas alia pode ouvir.
Amazona. Nascida da guerra, destinada a ser governada por ninguém alem de si mesma. Entretanto, esse segredo não cabia a Alia revelar.
– Eu não sei – respondeu Alia. – Mas estou contente por ela estar ao nosso lado.” (Página 213)

3 Comentários

  1. Marina Mafra13 mar, 2018Responder
  2. 14 mar, 2018Responder

deixe seu comentário