Nada escapa a Lady Whistledown

Julia Quinn, Suzanne Enoch, Karen Hawkins, Mia Ryan

Editora: Arqueiro

Páginas: 320

Ano: 2018

Sinopse:

Em Nada Escapa a Lady Whistledown, a cronista eternizada por Julia Quinn continua a revelar os acontecimentos mais apimentados da temporada londrina. Suas colunas são o fio condutor das quatro histórias que formam esta encantadora e divertida coletânea. Há tanto a ser dito sobre o baile oferecido por lady Trowbridge, em Hampstead, que esta autora não teria como contar tudo em só uma coluna... Crônicas da sociedade de lady Whistledown, maio de 1813 Julia Quinn encanta... A alta sociedade está em polvorosa, afinal a debutante mais promissora da temporada foi rejeitada por seu pretendente... apenas para ser conquistada em seguida pelo charmoso irmão mais velho do canalha que não a quis. Suzanne Enoch fascina... Um futuro noivo fica sabendo que o comportamento escandaloso de sua bela prometida foi parar na coluna de lady Whistledown e volta correndo para Londres com o intuito de ganhar o coração da moça de uma vez por todas. Karen Hawkins seduz... Um conhecido libertino tem sua amizade mais antiga e seu coração postos à prova quando uma adorável dama se encanta por outro cavalheiro. Mia Ryan delicia... Uma jovem é despejada da própria casa por um detestável – embora charmoso – marquês que pretende tomar posse não apenas do imóvel, mas também de sua antiga moradora.

Resenha:

Sentiram falta da fofoqueira mais amada de Londres? Pois eu estava morta da saudades. Lady Whistledown retorna, nos provando que possui olhos e ouvidos em todos os lugares de Londres. Com quatro histórias entrelaçadas e com personagens únicos, uma peça no teatro, uma festa de patinação e um baile de São Valentim vão aquecer o coração de todos os leitores apaixonados por um bom romance de época.

Um amor verdadeiro – Suzanne Enoch

Casamentos arranjados se tornaram uma pratica bastante comum desde os primórdios. Em pleno ano de 1814, essa pratica ainda vigorava, e foi graças a um acordo que o destino de Lady Anne Bishop se entrelaçaria ao de Maximilian Trent, o Marquês de Halfurts. Os pais de ambos eram grandes amigos e decidiram estabelecer um acordo de casamento envolvendo os filhos. Anne tinha apenas 3 dias de vida e Max sete anos. Após 19 anos desse acordo, Max nunca visitou a futura noiva, nem lhe mandou nenhuma correspondência, mas após Anne sair na coluna de fofocas de Lady Whistledown, o marquês decide que é hora de finalmente visitar a noiva e trazê-la com ele para Yorkshire, o seu verdadeiro lar. Mas o que seria apenas um acordo se transforma em algo a mais, e ao avistar Anne pela primeira vez, o coração de Max se surpreende com um sentimento inesperado.

Já havia me apaixonado pela escrita da Suzanne desde Lady Whistledown contra-ataca, mas após ler Como se vingar de um Cretino, essa mulher entrou para as minhas autoras de época da vida. E com essa história não poderia ser diferente. Suzie criou personagens apaixonantes e encantadores, que não se importam a mínima com os costumes obrigatórios da sociedade Londrina. Max é um cavalheiro honrado e mesmo tendo os privilégios de obter um casamento forçado graças ao acordo, prefere conquistar Anne, cortejando-a e recuperando o tempo perdido. Em contra partida, Anne é uma moça totalmente diferente das demais, ela possui determinação e um modo teimoso de ser e impor as suas opiniões, que me ganhou. O amor pode surgir nas mais variadas situações.

“- Como você deve se lembrar, a adorável Perséfone estava dividida entre Hades, seu amante, no mundo inferior, e a mão Deméter, no mundo de cima, até eles encontrarem um meio-termo para que ela tivesse os dois.” (Página 84)

Dois corações – Karen Hawkins

Até que ponto a amizade entre um homem e uma mulher pode sucumbir aos desígnios do coração? Com Royce Pemberley e Elizabeth Pritchard ou melhor Liza, a amizade se provou o passo mais importante do mundo para alcançar os caminhos do amor. Mas Royce é um grande libertino e as palavras amor e casamento, não constam em seu dicionário, porém quando Liza se interessa por outro cavalheiro, algo no coração de Royce se rompe. Poderia ele deixar Liza, a sua Liza, sua melhor amiga, sua confidente, nas mãos de outro homem? Essa será uma batalha contra seus princípios e seu coração.

Que história encantadora, surpreendente e que aqueceu o meu coração. Karen Hawkins mais uma vez me encantou com seus personagens irreverentes e que não se importam nem um pouco com a opinião dos demais. Liza é uma mulher adorável, segura e cheia de uma determinação tão grande misturados com um humor sarcástico, que deram vida e graça a narrativa. Já Royce é o típico cavalheiro dos sonhos de qualquer dama, aquele que está sempre disposto a lutar pelo o que quer, e neste caso, lutará com unhas e dentes pelo coração de Liza. O amor pode surgir no meio da mais bela amizade.

“Royce coçou o pescoço, perguntando-se desde quando era tão difícil conversar com Liza. Aquela era Liza, pelo amor de Deus. Liza, que o conhecia melhor do que ninguém. Liza, que ria de seus defeitos e o provocava quando ele estava desanimado e sempre, sempre, o entendia.” (Página 100)

Uma dúzia de beijos – Mia Ryan

A vida às vezes é uma grande caixinha de surpresa não? Para Lady Caroline Starling, ou Linney, essa frase nunca fez tanto sentido quando descobriu quem era Terrance Greyson, o novo lorde de Darington. Após a morte de seu pai, o titulo de marquês de Darrington, assim como as propriedades passaram para as mãos de Terrance, seu primo em quarto grau. Linney e sua mãe foram despejadas através de uma carta em nome do novo marquês, criando um sentimento de aversão profunda pelo mesmo.

Mas Linney nunca havia visto Terrance em toda vida, e ao ser ajudada por um homem dotado de uma beleza espetacular, ela jamais acreditaria que os dois seriam de fato a mesma pessoa. E ao avistar Linney pela primeira vez, o coração de Terrance é surpreendido por um sentimento novo e único, e ao longo do tempo ele percebe que somente com a jovem dama ao seu lado, ele enfim encontraria a paz que tanto procura.

Essa história foi sensível, peculiar e totalmente doce. Mesmo sendo apenas o meu segundo contato com a escrita da Mia, já pude perceber o sentimentalismo enorme que ela possui como autora. Terrance pode parecer à primeira vista, um personagem bruto e sem modos, mas quando descobrimos o que de fato aconteceu com esse homem, é impossível não se solidarizar e querer cuidar dele. Linney é aquela jovem dama que faria a sociedade londrina arrepiar os cabelos tamanha a sinceridade que ela possui ao falar tudo o que lhe vem a cabeça, mas essa é uma qualidade única meus amigos, não se enganem. O amor pode surgir quando você menos esperar.

“Mas então seu cérebro parou de raciocinar como deveria. Lorde Darington foi o único homem em toda a sua vida a abraçá-la assim, e, uma vez que seu cérebro meio que derreteu, descobriu que definitivamente gostava daquilo.
Quem diria que alguém poderia se sentir tão aquecida quando o mundo ao redor congelava?”(Página 201)

Trinta e seis cartões de amor – Julia Quinn

Susannah Ballister era a debutante mais querida da temporada pela sociedade, até ser rejeitada em publico sem mais nem menos por seu atual pretendente. Seis meses se passaram desde esse acontecimento fatídico, e ao voltar a Londres, o inesperado acontece na vida de Susannah, o irmão mais velho do patife que a rejeitou, demonstra um interesse enorme por ela. Mas será que David Mann-Formsby, o conde de Renminster estaria realmente interessado na ex pretende de seu irmão? E o que teria motivado esse sentimento novo? Que Susannah era uma jovem adorável, isso ninguém poderia negar.

Já sei o que vocês vão dizer: lá vem ela elogiar a Julia Quinn mais uma vez. haha. Pois vocês estão certos, essa mulher merece todos os elogios do mundo. Que talento meus caros, que talento! Mais uma vez Julia me deu uma personagem forte, sincera e sem receio algum de ser o mais franca possível. E também ganhei mais um personagem maravilhoso, apaixonante, e que corre atrás daquilo que quer. Ah David, todas as mulheres no mundo mereciam alguém como você. Essa história me fez sorrir, gargalhar, defender alguns personagens e bater em outros, e as obras da Julia como sempre, tem o poder de me fazer sentir todas as coisas boas desse mundo, e principalmente o sentimento de estar em casa. O amor pode surgir entre as mais distintas pessoas.

“E enquanto estava ali sentado, no Theatre Royal, ignorando os atores no palco em favor de uma mulher sentada no camarote ao lado do seu, tomou uma decisão muito importante.
Ele se casaria com Susannah Ballister.” (Página 255)

2 Comentários

  1. Camila Carvalho19 maio, 2018Responder
  2. Marina Mafra29 maio, 2018Responder

deixe seu comentário