O PREÇO DA VERDADE

Jéssica Macedo

Editora: Portal

Páginas: 259

Ano: 2018

Sinopse:

Numa tarde comum de verão, a cientista Bárbara Lopes foi assassinada em seu próprio apartamento. A polícia local tem um único suspeito: o bem-sucedido médico que há anos a vítima chamava de marido. Suzana é a detetive responsável pelo caso. Há dez anos trabalhando para a policia, ela já conviveu mais com a morte do que qualquer um gostaria. O caso começa a se tornar pessoal quando a detetive passa a acreditar na inocência do suspeito e a encontrar ligações desse caso com o maior caso que já enfrentou e ainda sem solução: o assassinato do seu marido e filho. A busca de Suzana pela verdade pode colocar em risco não apenas a sua carreira na policia, mas também a sua própria vida.

“(…) a verdade era que eu gostava de viver com a ilusão de que tinha controle sobre tudo. Cada um tinha o poder de escolher as mentiras que desejava acreditar.” (Página 5)

Esse é o primeiro romance policial que trago como dica de leitura aqui no Blog. Coincidência ou não é, também, o primeiro livro desse gênero escrito pela jovem autora mineira Jéssica Macedo.

Com uma trama bem instigante narrada pela protagonista, “O Preço da Verdade” me manteve bastante envolvida à história e suas personagens durante toda a leitura.

“A minha vida seguia caso após caso, morte após morte. Mas, quando se tratava da minha própria família não era tão simples.” (Página 38)

Suzana Freitas é reconhecidamente a melhor detetive do departamento de polícia onde trabalha. Vem se jogando com afinco ao seu ofício, mas nem isso é capaz de evitar a grande frustração que sente. Há dois anos seu marido e filho foram assassinados e Suzana foi afastada do caso por tratar-se de sua família. O detetive responsável não conseguiu chegar até o autor do crime, mas ela ainda não desistiu. Acredita que a morte de seus familiares foi fruto de sua profissão, talvez vingança de algum criminoso, e enquanto não pusesse as mãos no assassino ela não descansaria, nem conseguiria seguir em frente com sua vida.

“Ele parecia apenas um policial tentando fazer seu trabalho, mas, de alguma forma, eu era bem desconfiada em relação a ele. Talvez fosse apenas a raiva por ele ainda não ter prendido o assassino da minha família, ou tivesse algo a mais ali.” (Página 103)

Em meio às investigações de um novo crime – o assassinato da cientista Bárbara Lopes – Suzana descobre que a vítima tinha ligação com o seu marido, o Raul. Todas as evidências indicam que o cônjuge da Bárbara, Marcos – um médico renomado – seja o autor do crime. A detetive acredita em seus instintos e nos anos de prática, portanto para ela o médico definitivamente não é o verdadeiro assassino da cientista.

Pela primeira vez Suzana terá real acesso aos documentos pertinentes ao caso da morte de Raul e Samuel, o seu filho, além da possibilidade de desvendar o mistério por trás dos dois crimes. Mais que isso, ela irá se deparar com uma questão que jamais imaginou em seus anos de profissão: existe um limite para a maldade humana?

“Pensava que parar de me culpar amenizaria a dor, entretanto pouco importava de quem era a culpa e sim que eles jamais estariam comigo outra vez.” (Página 42)

A leitura desse livro foi meu primeiro contato com a escrita da Jéssica Macedo e gostei muito da maneira como ela conduziu toda a história.

A trama é realmente interessante e uma das coisas mais legais foi ela nos atentar para o fato de que pode, sim, existir corrupção em qualquer lugar, em qualquer meio do qual possamos fazer parte, inclusive entre aqueles que deveriam defender a todo custo o cumprimento da lei e da justiça. Destaque, também, para a personagem Gabriela – amiga da protagonista – que com sua personalidade irreverente deu uma leveza muito bem vinda ao enredo.

Fica aqui a dica de mais um nacional pra vocês.

Até a próxima!

01 Comentário

  1. Marina Mafra04 set, 2018Responder

deixe seu comentário