SORRISOS QUEBRADOS

Sofia Silva

Editora: Valentina

Páginas: 232

Ano: 2017

Sinopse:

Sorrisos Quebrados gira em torno de três personagens: a jovem Paola, a pequena Sol e seu pai, André. Os três são vítimas de violências distintas, que deixaram marcas profundas em cada um. Trata-se de uma história de superação de dores, magia, estrelas e de como importantes laços humanos podem se formar a partir da autoaceitação, da arte e da tolerância no cotidiano.

“Todo dia é um recomeço.

Todo dia eu renasço.

Todo dia eu me levanto.

Todo dia eu não desisto.

Todo dia eu vivo como se não tivesse

Todos os dias.”

(Página 20)

Atualmente muitos escritores têm trazido cada vez mais tramas que tratam o tema violência e suas diversas vertentes. Uma das mais comuns é a violência doméstica, mais especificamente, a violência contra a mulher. Reflexo de uma realidade que se torna mais assustadora a cada dia, infelizmente.

Não li tantos livros que abordam essa temática, mas tenho me deparado com autores que falam nessas questões com uma sensibilidade que considero necessária ao escrever.

“Sofro tanto por toda a porcaria que aconteceu comigo, mas sofro principalmente com a tristeza da pessoa que mais amo no mundo. Nenhum pai gosta de ver um filho infeliz, e meu coração se estilhaça por saber que não tenho o poder de fazê-la feliz como sonho e ela merece.”

(Página 34)

Sofia Silva é uma autora portuguesa que ficou bastante conhecida através da plataforma de leitura Wattpad com a Série Quebrados, que traz histórias de superação por meio de personagens incríveis e tramas que abordam temas diversos.

Sorrisos Quebrados é o primeiro livro e teve uma repercussão muito grande entre os leitores brasileiros ao ser publicado pela Editora Valentina. Foi um dos livros que mais me recomendaram nos últimos tempos.

“– A morte é a verdade. É a verdade que sabemos estar todos os dias conosco a partir do momento que o nosso coração bate pela primeira vez. (…) Ninguém quer pensar que a morte está fazendo contagem regressiva da nossa partida do mundo, por isso dizemos que temos a vida toda para viver. O problema é que essa mentira se tornou tão forte que as pessoas não aproveitam para viver plenamente.”

(Página 70)

Paola e André são os protagonistas que dão voz à trama. A narrativa é em primeira pessoa, alternada entre as personagens. Violência doméstica e contra a mulher, dependência química, negligência e abandono são os temas trazidos pela autora.

Em relação à violência contra a mulher, inicialmente, Sofia nos mostra de uma maneira extremamente impactante. O Prólogo nos tira o fôlego, literalmente, e faz pensar que ninguém é capaz de superar algo tão cruel e desumano.

Bom, como a Série traz histórias de superação, a Paola vem e desconstrói, aos poucos, esse primeiro pensamento. Entretanto, assim como para qualquer pessoa que sofre um grande trauma, voltar a ter uma vida normal leva tempo e o processo é de muitas maneiras, doloroso. Isso nos leva a André e sua filha, que foram peças fundamentais na vida da Paola. Entretanto, eles também carregam um passado traumático, embora a pequena Sol não se lembre de forma consciente todo o abuso e violência que viveu ainda bebê.

“A vida é um labirinto onde todos tentamos localizar a saída e onde poucos têm a sorte de encontrar o parceiro ideal para a aventura que é viver. Alguém que não solta nossa mão quando erramos na escolha do caminho ou porque não temos mesmo vontade de acertar, pois percebemos que mais importante do que localizar a saída é conhecer o labirinto.”

(Página 128)

Sofia tem uma escrita belíssima e sua narrativa é bem fluida, embora alguns diálogos tragam uma grande carga emocional. E, claro, a autora possui aquela sensibilidade que citei no início do post.

As personagens são apaixonantes e muito bem construídas, sendo a menina Sol o ponto alto do livro para mim. Sofia desenvolveu sua história de maneira impecável, cheia de emoção e da inocência característica de quem é criança. A interação dela com a Paola, bem como toda a mudança que significou para sua vida, foi um processo lindo de ver.

Apesar de trazer uma história de superação, Sorrisos Quebrados faz isso de uma maneira bem realista. Os traumas vividos por Paola e Sol são mais comuns do que a gente pensa e, na maioria das vezes, quem sofre não tem as chances de recomeçar como elas tiveram.

Livros com personagens fortes, que escolhem encarar a vida apesar dos muitos problemas são, para mim, os melhores. Portanto, fica a dica pra vocês.

Até a próxima!

2 Comentários

  1. Marina Mafra18 mar, 2019Responder
  2. Le18 mar, 2019Responder

deixe seu comentário