TODO O TEMPO DO MUNDO

Maurício Gomyde

Editora: Astral Cultural

Páginas: 352

Ano: 2018

Sinopse:

E se você um dia descobrisse que viaja ao passado toda vez em que fica muito feliz? E que vai ao futuro toda vez em que fica muito triste? Pois isso é o que acontece com Vitor Pickett. Tudo começou na noite em que ele beijou Amanda, e Vitor nunca teve chance de descobrir se aquilo é dádiva ou maldição, porque, ao fim daquela festa, Amanda foi embora para outro canto do mundo, para nunca mais voltar. Vinte anos depois, ele é um recluso dono de vinícola numa cidadezinha do Sul do Brasil, e acha que ela morreu num atentado; Ela, entretanto, é casada e gerente da livraria mais bonita do mundo, em Buenos Aires. Mas um reencontro inesperado poderá mudar tudo. Vitor entenderá por que viaja no tempo? Amanda revelará que não é quem ele sempre imaginou? Aquele amor renascido será mais poderoso do que tudo que os separa? As respostas dependerão de Vitor subverter a lógica insana de seu corpo e conseguir alterar um fato do passado. Porque, se é verdade que quando a primeira lágrima desce do olho esquerdo, o choro é de tristeza, e quando desce do direito o choro é de felicidade, aquele poderá ser o sinal mais poderoso de suas vidas... "O olhar sensível e a deliciosa escrita do Maurício Gomyde tornam suas histórias tão cativantes, que achei impossível fechar o livro antes de chegar à última página" (Carina Rissi)

“Sou uma pessoa sem rumo definido, um ser do mundo. Hoje, aqui. Amanhã, onde o destino quiser. Que este seja o primeiro dia de uma vida perfeita.”

(Capítulo 2)

Para você, o que é felicidade genuína?

Num primeiro momento, pelo menos para mim, é um pouco difícil pensar numa resposta rápida. Acredito que não há resposta pronta para isso, mas consigo lembrar-me de alguns acontecimentos que tenham me trazido esse sentimento de plenitude. O mesmo se aplica a tristeza genuína, em minha opinião.

Certamente você está se perguntando o motivo da questão que estou trazendo.

Bem, quem nunca sentiu vontade de reviver, na íntegra, momentos específicos de felicidade pura? E quem nunca desejou que o tempo passasse o mais depressa possível em situações de grande tristeza?

Essas são possibilidades inexistentes para nós, protagonistas da vida real. Já numa ficção…

“Até me dar conta do que o destino havia feito comigo, achei que estava ficando louco. Loucuras tão maravilhosas quanto terríveis, tão dolorosas quanto inacreditavelmente boas.”

(Capítulo 5)

Todo o Tempo do Mundo é a primeira trama do Maurício Gomyde na qual ele utiliza o elemento fantasia. Brincar com o tema tempo sempre foi algo que admirei em obras da literatura e do cinema, e o autor não deixou em nada a desejar.

Vitor é o viajante do tempo, que se isolou daqueles que amava por acreditar que este “fardo” o impedia de se relacionar normalmente com as pessoas. As viagens aconteciam através de gatilhos acionados através dos sentimentos de felicidade e tristeza genuínas nos chamados “Eventos”, os quais ele registrava num caderno. A causa de tudo, na visão do Vitor, nos leva à outra protagonista dessa história.

Amanda viveu momentos de trauma e extrema tristeza ao perder as pessoas mais importantes de sua vida e isso trouxe uma série de escolhas difíceis, por vezes erradas, e uma vivência bem distante de todos os sonhos mais profundos que tinha desde menina. Entretanto, nada conseguiu arrancar de suas lembranças o personagem principal de uma de suas noites mais felizes, mas que havia desaparecido misteriosamente e com quem não teve contato por anos.

“A vida é apenas uma, e não há de ter coisa pior do que chegar ao fim dela, olhar para trás e só então perceber que você deixou de fazer algo que poderia ter sido a sutil diferença entre uma vida normal e uma incrível.”

(Capítulo 32)

Vitor e Amanda são as vozes que dão vida à narrativa, que foi construída com a sensibilidade já conhecida pelos leitores do Gomyde. As personagens criadas trazem todos os lados humanos possíveis, tornando a história muito real, embora venha permeada pela fantasia da viagem no tempo.

A história é contada em primeira pessoa e uma das coisas mais admiráveis nela é a maneira como o autor conduziu a da Amanda. Dar vida a uma personagem feminina, ainda mais ela que viveu situações dificílimas e traumáticas, requer muito sentimento e isso deu pra perceber que o autor tem de sobra.

“As melhores coisas da vida são justamente aquelas que não fazem o menor sentido.”

(Capítulo 77)

Assim como em outros livros, Maurício Gomyde nos presenteia com várias referências de música, cinema e literatura. Além disso, estão presentes na trama temas muito interessantes, dentre eles, relacionamento abusivo, algo tão atual e bastante discutido nos diversos meios sociais e culturais.

Li Todo o Tempo do Mundo juntamente com o autor e vários leitores e blogueiros. Tivemos a oportunidade única de conhecer e entender o processo de escrita desse livro, as referências e inspirações. Nunca uma leitura foi tão enriquecedora. Aproveito para agradecer ao Gomyde por essa experiência incrível!

2 Comentários

  1. Marina Mafra09 mar, 2019Responder
    • Le09 mar, 2019Responder

deixe seu comentário