Vejo Você no Espaço

Jack Cheng

Editora: Intrínseca

Páginas: 288

Ano: 2017

Sinopse:

Alex tem onze anos e adora o espaço sideral, foguetes, sua família e seu cachorro, Carl Sagan - uma homenagem a seu maior herói, o astrônomo autor de Cosmos e Pálido ponto azul. A missão de vida de Alex é enviar seu iPod dourado para o espaço, do mesmo jeito que Sagan (o cientista, não o cachorro) enviou os Discos de Ouro nas sondas Voyager, em 1977, com sons e imagens da Terra, a fim de mostrar aos extraterrestres como é a vida no nosso planeta. Por isso, Alex constrói um foguete. E por isso ele viaja do Colorado ao Novo México, de Las Vegas a Los Angeles, gravando tudo o que acontece pelo caminho. Ele encontra pessoas incríveis, gentis e interessantes, desencava segredos e descobre que, mesmo para um menino com uma mãe complicada e um irmão ausente, família pode significar algo bem maior do que se imagina. Um livro tocante e delicioso sobre aprendermos a discernir realidade e aparências, Vejo Você No Espaço é uma lição de que família também se constrói e de que, com honestidade, força e amor, nos tornamos tão grandes quanto o próprio universo.

Resenha:

Nunca deixe ninguém falar para você que os seus sonhos são impossíveis.

Alex perdeu o pai ainda muito jovem, e não tinha muitas lembranças dele. Seu irmão vivia em outra cidade, mas controlava as finanças de lá. A única pessoa próxima de Alex era a sua mãe, mas ela era distante, ausente, desligada. Aos 11 anos, ele já era mais responsável do que ela.

…tenho onze anos de idade, mas uns treze de maturidade.

Apaixonado pelo espaço sideral, começou a gravar a sua vida em um iPod, para que um dia pudesse enviá-lo em um foguete.

Seria apenas uma ideia fofa de criança, se ele não tivesse criado um foguete e com planos de participar de um evento, onde poderia enviá-lo para o espaço.

Sem supervisão de um adulto, acompanhado apenas do seu cachorro, Alex parte para um aventura, em busca do sonho de ver o seu foguete em ação.

Tem horas que as nuvens na minha cabeça formam um redemoinho imenso e cinza, e eu acabo soltando um furacão de lágrimas pelos olhos. Mas não literalmente, claro, não tenho um sistema meteorológico dentro da cabeça.

Na cabeça de uma criança todos os planos já deram certo, mas sabemos que nada na vida é como planejamos. O pequeno Alex irá descobrir o valor da amizade, o verdadeiro sentido da palavra família e sentir na pele a dor e angústia da necessidade de ser forte.

Mas meu herói sempre dizia que o conhecimento é melhor do que a ignorância, que é melhor descobrir e aceitar a verdade, mesmo que ela não seja agradável.

Os capítulos são as gravações feitas no iPod. Acompanhamos o sonhador Alex partindo para a sua aventura, sofremos com cada dificuldade que ele encontra, sentimos vontade de pegar ele no colo e mentir que vai ficar tudo bem, nos emocionamos com cada descoberta, enfrentamos com ele cada consequência pelas suas decisões ingênuas e precipitadas e no final aprendemos muito, pois todos temos um pouco do Alex dentro de nós e lutamos diariamente com as nossas frustrações.

Ele teve que assumir a responsabilidade, responsabilidade de verdade, pelos atos dele. É isso que significa ser adulto.

Me perdi na escrita doce do autor, na mente infantil do Alex. Quando eu percebi, eu já estava pequena de novo, revivendo memórias passadas e torcendo para que o Alex tivesse um futuro diferente do meu.

…aconteceram tantas outras coisas que acho que a minha cabeça vai explodir. Não literalmente, claro, é só uma metáfora que significa que estou sobrecarregado.

Amo histórias que começam fofas, mas aos poucos vão destroçando a minha alma.

As palavras que usamos ao tentar descrever esse sentimento, palavras como “amor”, “força” e “verdade”… O motivo pelo qual não conseguimos descrevê-las totalmente, e também o motivo pelo qual músicas, sons e fotos também não conseguem, é porque elas também são SOMBRAS! AS PALAVRAS TAMBÉM SÃO SOMBRAS!

Vejo Você no Espaço não vai apenas te ensinar a ser forte, vai te mostrar que a força sempre esteve dentro de você.

…sei que a verdade é incômoda, mas se eu vivesse feliz o tempo inteiro, então eu não poderia ser forte.

10 Comentários

  1. 20 fev, 2018Responder
  2. Siena21 fev, 2018Responder
  3. Ane Carol22 fev, 2018Responder
  4. Karolini Barbara22 fev, 2018Responder
  5. graziela23 fev, 2018Responder

deixe seu comentário