Winter (Crônicas Lunares #4)

Marissa Meyer

Editora: Rocco

Páginas: 688

Ano: 2016

Sinopse:

Bestseller do The New York Times, a série Crônicas Lunares conquistou os leitores com sua releitura high-tech de contos de fadas tradicionais. Depois de Cinder, Scarlet e Cress, inspirados, respectivamente, nas histórias de Cinderela, Chapeuzinho Vermelho e Rapunzel, Marissa Meyer entrega a eles o último capítulo da série, em que reconta a história de Branca de Neve com tintas distópicas. Na trama, a princesa Winter vive subjugada por sua madrasta, Levana, que inveja sua beleza e não aprova os sentimentos da jovem pelo amigo de infância e belo guarda real Jacin. Mas Winter não é tão frágil quanto parece, e, junto com a ciborgue Cinder e seus aliados, a jovem princesa é capaz de ini¬ciar uma revolução e vencer uma guerra que já está em andamento há muito tempo. Será que Cinder, Scarlet, Cress e Winter podem derrotar Levana e encontrar seus finais felizes?

Despedir de uma série nunca é fácil. Principalmente quando é uma série que amamos do início ao fim, cada livro, cada personagem. Uma série perfeita e sem defeitos. Bem escrita, bem desenvolvida, onde cada sequencia consegue ser ainda melhor que o ultimo livro. Ah, isso é difícil, e encontrar uma série assim meus caros, é raro. As crônicas lunares é exatamente esse tipo de série.

“- Você não é rainha, princesa.

– Eu não quero ser rainha.

– Então, pare de aceitar coroas.” Jacin e Winter, p. 101

Desde Cinder eu senti que essa séria uma história épica, e conforme Scarlet (minha preferida), Cress e Winter foram chegando, eu tive essa certeza. Marissa Meyer recriou as princesas de contos de fadas que tanto conhecemos, de uma maneira totalmente nova e única. Quem já imaginou a Cinderela como uma mecânica ciborgue de 16 anos?

“- As visões nunca são tão ruins quando você por perto. Vão ficar melhores agora que você voltou.” Winter, p. 28

Winter foi o desfecho dessa série e da saga de Cinder na esperança de reconquistar o seu trono, e destronar sua cruel tia Levana, que prejudicou imensamente tanto a terra quanto o povo de Luna. Altas emoções me envolveram nesse livro, a cada capitulo um ataque diferente no coração, a expectativa de tudo dar certo, o medo de algum dos meus personagens queridos se ferir ou morrer, e a torcida para que Cinder alcançasse seus objetivos.

“- Como melhora as coisas?

– Não piora nada.

– Piora você. Por que você não… faz coisas boas com seu dom?

– Todos acreditam que estão fazendo o bem.” Winter e Scarlet, p. 226

Esse desfecho consagrou com chave de ouro a Marissa no meu coração. Essa é uma história que preza sobre a lealdade, a amizade, a coragem e a empatia que movem um ser humano. Cinder, Kai, Scarlet, Lobo, Cress, Thorne, Winter, Jacin e Iko sentirei uma saudade absurda de vocês, porem o amor por essa história é tão grande, que em breve eu volto meus amigos.

“- Estou quebrada. Estou literalmente quebrada.

– É, mas quebrada não quer dizer impossível de consertar.” Cinder e Iko, p. 392

“Cicatrizes, cicatrizes. Ela estava ficando com tantas. Perguntou-se se havia algo de errado em sentir orgulho delas.” Winter, p. 520

me perdoem pela péssima qualidade da imagem.

Cinder, Scarlet, Cress, Winter e Iko

2 Comentários

deixe seu comentário