Química Perfeita

Simone Elkeles

Editora: Globo Alt

Páginas: 428

Ano: 2017

Sinopse:

Brittany e Alex são de mundos opostos: ela é a menina perfeita com um futuro brilhante pela frente, ele o membro de uma gangue perigosa que não tem nada a perder. Os dois não teriam nenhum contato um com o outro, se não tivessem sido forçados a ser parceiros nas aulas de química do último ano. Alex sabe que qualquer relação que Brittany tenha com ele pode colocar em risco sua reputação impecável de boa aluna e namorada dedicada e, por orgulho e diversão, aposta com os amigos que consegue fazer com que ela saia com ele. No entanto, quanto mais se aproximam, mais fica evidente que eles têm algo em comum que ninguém parece perceber: nenhum dos dois é o que se esforça tanto para ser.

Resenha:

O que define uma pessoa?

Aparência? Classe social? Nacionalidade?

Infelizmente vivemos numa sociedade onde coisas como essas são comumente valorizadas e utilizadas para definir o caráter de alguém.

Daí você me pergunta: “Tá, mas e o que isso tem a ver com essa leitura?”.

Caro leitor, esse é um daqueles livros que você inicia achando que se trata de “mais um romance”, porém – para sua surpresa – ele acaba te dando uma lição e tanto.

Em “Química PerfeitaSimone Elkeles explora universos diferentes dentro de uma sociedade e traz em seu enredo temas como desigualdade social e preconceito, tudo isso através da história de dois adolescentes que pertencem a mundos totalmente distintos, mas que se reconhecem quando o assunto é usar uma máscara para esconder o que realmente acontece por dentro.

Brittany Ellis e Alex Fuentes não poderiam ser mais diferentes.

Britt é a imagem da garota perfeita. Linda, de família rica, namora o garoto mais popular do colégio, é admirada e adorada pela maioria. Aluna exemplar, tem um futuro brilhante pela frente.

Alex é um bad boy, membro de uma das gangues mais perigosas da cidade. As pessoas o vêem como um marginal, arruaceiro, viciado em drogas. Diferente dela, formar-se e fazer faculdade são coisas que, certamente, não fazem parte dos seus planos.

Porém, como diz o velho ditado popular, “as aparências enganam”.

Na intimidade é que as máscaras caem e a realidade se apresenta.

A vida da Brittany não é nada perfeita. Apesar de ter nascido em berço de ouro, a família da jovem é muito diferente do que ela deixa transparecer. O pai é um homem ausente e indiferente às questões familiares. A mãe vive para as aparências, exige que Brit represente a perfeição que Shelley, sua irmã mais velha, jamais vai ter. É extremamente rigorosa nesse quesito.

Shelley tem paralisia cerebral e é a pessoa que Britt mais ama na vida. O foco da nossa jovem protagonista é impedir que os pais negligentes enviem a irmã para um asilo, por isso acata as exigências da mãe e fecha os olhos para a indiferença do pai.

Alex é imigrante mexicano. Mudou-se para os EUA ainda criança com a família e vive numa comunidade com outros conterrâneos.

Alex leva uma vida difícil. Perdeu o pai assassinado quando tinha seis anos de idade. Ainda criança, foi levado a ingressar numa gangue, com a ilusão de que aquilo representaria segurança para sua família, numa parte da cidade onde o crime impera.

É um jovem extremamente inteligente, não quer ser uma grande decepção para a mãe, além de lutar a todo custo para impedir que seus irmãos mais novos tenham o mesmo destino.

“… eu sempre soube que sacrifiquei minha vida por meus irmãos. (…) Quero que minha mãe se orgulhe de mim por algo diferente de ser um membro de gangue. E espero desesperadamente que Brittany pense que estou do lado dos bons.” (Página 256)

Brittany e Alex estudam no mesmo colégio. Na aula de Química, são obrigados a trabalhar juntos como parceiros da disciplina. No início isso parece não dar muito certo e as intrigas são inevitáveis. Entretanto, eles acabam se aproximando e o que parecia ser uma péssima parceria, acaba evoluindo para um romance que pode representar uma grande mudança na vida dos dois.

“… é como se seu corpo inteiro suspirasse aliviado. Como se o sofrimento de outra pessoa a reconfortasse, fizesse-a sentir que não está sozinha.” (Página 183)

A história escrita pela autora traz alguns clichês em seu enredo, mas inova abordando questões sociais que foram tratadas de maneira muito verdadeira e com grande sensibilidade.

Alex representa um grande número de jovens que são levados a uma vida regida pela criminalidade. Geralmente esses jovens são “recrutados” ainda meninos, como nosso Alex e, à medida que o tempo passa, fica cada vez mais difícil sair desse universo. São crianças e adolescentes vítimas da vulnerabilidade social.

Além disso, o protagonista vive em um país que não é o seu de origem e sofre diariamente o preconceito pela cor da pele e por sua nacionalidade.

Brittany convive e padece com a total negligência dos pais em relação à Shelley, sua irmã deficiente. Eles negam à sociedade a existência da filha e desejam livrar-se dela. Isso é muito mais comum do que se pensa. Elkeles tratou de maneira muito tocante a relação entre as irmãs. Muito amor envolvido.

E foi linda a maneira como a autora construiu o relacionamento entre os dois protagonistas. À medida que o romance evolui, eles vão quebrando paradigmas, estereótipos, o preconceito dos amigos e o próprio.

“Química Perfeita” é o tipo de romance que envolve, emociona e ensina. Entrou pra lista dos meus favoritos.

Abraço carinhoso em todos vocês!

2 Comentários

  1. Marina Mafra03 abr, 2018Responder
  2. Le04 abr, 2018Responder

deixe seu comentário