Beije a garota

Tara Sivec

Editora: The Gift Box

Páginas: 228

Ano: 2019

Sinopse:

Enquanto as amigas se livraram de suas inseguranças, Ariel Water ainda luta para sair de sua concha. Seu ex-marido tirou a sua voz e sua autoconfiança, e ela está se afogando em um mar de dívidas para pagar sua pensão. Ela se recusa a se deixar enganar pelo charme de um homem outra vez, e está determinada a se virar sozinha. Quando a sua casa e as suas amadas antiguidades são tomadas pelo banco depois de muitas contas vencidas, Ariel se encontra à deriva até que o charmoso e irritante Eric Sailor vem ao seu resgate. Embora ela não consiga suportar o playboy milionário, a gentileza e o apoio incondicional de Eric revelam águas profundas e um amor que Ariel nunca imaginou que pudesse encontrar novamente. Mas existem influências de fora que não medirão forças para afastá-los. Será que Ariel e Eric conseguirão navegar pela tempestade e encontrar uma maneira de ficarem juntos?

Beije a garota fecha a trilogia The naughty princess club com chave de ouro. Confesso que eu estava super ansiosa para chegar nesse livro e ele não me decepcionou, acabou sendo o meu preferido.

Ariel é uma personagem que me intrigou durante a leitura dos dois primeiros livros, completamente mandona, boca suja e cheia de confiança.

Ou pelo menos é o que ela tenta demonstrar…

“Não sou uma mulher que precisa ser salva por um homem, ou que se deixa levar pelo coração palpitante toda vez que o cara gostoso lhe dá atenção” Página 22

A realidade é que Ariel passou anos em um relacionamento no qual era criticada constantemente, e após o divórcio ficou cheia de inseguranças e com a auto estima baixa.

Além de causar todos esses traumas à Ariel, seu ex ainda a fez perder sua lojinha de antiguidades que ela tanto amava.

Completamente endividada Ariel acaba  perdendo sua casa para o banco, e no meio de um turbilhão de problemas ela irá encontrar apoio em quem menos espera, o divertido e charmoso Eric Sailor, amigo e sócio de PJ no Charming’s, que fez algumas aparições nos livros anteriores.

“Agarro o microfone com uma das minhas mãos e levanto a outra em punho no ar, olhando para os meus amigos na primeira fila. Canto a música para eles, para toda mulher que está nesse bar, que alguma vez se sentiu menos do que perfeita, que mudou para fazer outra pessoa feliz”. Página 91 

Esse casal me conquistou demais, a relação deles é regada de muita provocação e humor, o que os torna perfeitos um para o outro.

Temos diversas aparições de Cindy e Belle, e eu amei revê-las, além de poder acompanhar a amizade e o companheirismo das três. Desde o primeiro livro, isso foi algo que me cativou, a forma como elas se apoiavam e ajudavam umas às outras a encontrarem sua força. Essa é definitivamente uma trilogia onde as princesas salvam a si mesmas.

“A vida não é um conto de fadas. Se você perder um sapato à meia noite, é provável que você esteja bêbada”. Página 96

Esse livro possui mais drama que os outros dois, mas isso não o torna menos divertido. Tara consegue nos envolver nos conflitos e situações abordadas de maneira leve e envolvente.

“Se você tem um sonho deve persegui-lo. Não importa o que é, e certamente não importa se você é homem ou mulher. Ainda assim, por sermos mulheres, somos julgadas por decisões que fizemos e o tipo de negócios que temos”. Página 211

Assim como nos outros livros, Tara, utilizou diversas analogias ao conto original, com direito à participação de Úrsula e o pai de Ariel.

Ao final temos um epílogo de aquecer o coração, mostrando o final feliz das três, me deixando com vontade de começar tudo de novo.

“Acho que soa exatamente como um perfeito final de um conto de fadas”. Página 220

01 Comentário

  1. Marina Mafra25 jan, 2020Responder

deixe seu comentário