Corte de Espinhos e Rosas #1

Sarah J. Maas

Editora: Galera Record

Páginas: 434

Ano: 2016

Sinopse:

Em Corte de Espinhos e Rosas, um misto de A Bela e A Fera e Game of Thrones, Sarah J. Maas cria um universo repleto de ação, intrigas e romance. Depois de anos sendo escravizados pelas fadas, os humanos conseguiram se libertar e coexistem com os seres místicos. Cerca de cinco séculos após a guerra que definiu o futuro das espécies, Feyre, filha de um casal de mercadores, é forçada a se tornar uma caçadora para ajudar a família. Após matar uma fada zoomórfica transformada em lobo, uma criatura bestial surge exigindo uma reparação. Arrastada para uma terra mágica e traiçoeira — que ela só conhecia através de lendas —, a jovem descobre que seu captor não é um animal, mas Tamlin, senhor da Corte Feérica da Primavera. À medida que ela descobre mais sobre este mundo onde a magia impera, seus sentimentos por Tamlin passam da mais pura hostilidade até uma paixão avassaladora. Enquanto isso, uma sinistra e antiga sombra avança sobre o mundo das fadas e Feyre deve provar seu amor para detê-la... ou Tamlin e seu povo estarão condenados.

“Aquela besta não era um homem, não era um feérico inferior. Ele era um dos Grão-Feéricos, um dos nobres governantes: lindo, letal e impiedoso.”

Corte de espinhos e rosas realmente merece a fama positiva que tem, pois que história surpreendente, bem desenvolvida e viciante.

“Olhei para o norte e recuei de novo. As outras seis cortes de Prythian ocupavam um retalho de territórios. Outonal, Estival e Invernal eram fáceis de distinguir. Então, acima delas, duas cortes reluziam: a mais ao sul era de uma palheta mais suave e avermelhada, a Corte Crepuscular; acima, com dourado forte, amarelo e azul, estava a Corte Diurna. E acima dela, empoleirada em uma cadeia montanhosa congelada de escuridão e estrelas, o amplo e imenso território da Corte Noturna.”

Amo fantasias desse tipo, que entram na mente do leitor, que nos dão cenários únicos, belíssimos ou aterrorizantes de serem imaginados. Personagens mágicos e aventuras repletas de adrenalina.

“— Quem quer alguém por perto tão coberta de espinhos?

— Espinhos?

— Espinhos. Afiada. Azeda. Teimosa.”

A narrativa é empolgante e me prendeu do início ao fim. Uma mistura de sentimentos me envolveu ao longo da história. Quis entrar nas páginas e proteger a Feyre, mas percebi que a última coisa que essa mulher corajosa precisa é de proteção.

“Agradeça por seu coração humano, Feyre. Tenha piedade daqueles que não sentem nada.”

Poderia me alongar sobre diversos assuntos referentes a minha experiência com a escrita absurdamente ótima da Sarah J. Maas e esse universo tão encantador que ela criou? Sim, eu poderia. Mas talvez nada do que eu fale faça jus ao tanto que amei esse primeiro livro.

“Porque eu não iria querer morrer sozinha. Porque eu iria querer que alguém segurasse minha mão até o fim, e um pouco depois disso. isso é algo que todos merecem, humanos ou feéricos.”

2 Comentários

  1. Marina Mafra02 jul, 2020Responder
    • Kalyne Lauren11 jul, 2020Responder

deixe seu comentário