Molly

Colin Butcher

Editora: Faro Editorial

Páginas: 222

Ano: 2019

Sinopse:

Quando um ex policial teve a ideia de criar uma agência para procurar por animais desaparecidos, ele percebeu que precisava de ajuda. Então viu uma foto num site de animais para doação e seu coração disparou. Elétrica e cheia de energia, ela havia sido abandonada pela terceira vez. Colin ficou apaixonado e os dois se tornaram inseparáveis. Esperta, ágil e obstinada, Molly estava pronta para uma missão maior do que eles podiam sonhar. Com treino, aquela que era considerada uma cadela rebelde e incontrolável, logo a tornou uma super detetive e não demorou para que a dupla começasse a resolver casos de desaparecimentos e furtos por todo o país. Desde a busca por Rusty, o gato fujão; sobreviver à picada de uma cobra, até desenterrar um tesouro de joias roubadas em uma floresta, Molly é protagonista de inúmeras aventuras emocionantes, que ultrapassam a solução de casos, porque contam divertidas e emocionantes histórias de amor. Colin Butcher é um detetive e recupera animais roubados e desaparecidos há mais de vinte anos. Molly é uma cocker spaniel que já solucionou mais de cem casos, resultando no resgate de 64 gatos, 06 cachorros e uma tartaruga - muitos dos quais teriam morrido sem sua ajuda.

Livros de não-ficção normalmente não são a minha primeira opção de leitura e são poucas obras biográficas que acabam chamando a minha atenção. Mas como resistir a esse cocker spaniel de olhos cor de chocolate tão lindo na capa? Impossível! Molly é um animal fascinante e sua trajetória ao lado do seu tutor Colin é tão incrível e surpreendente que até parece uma história ficcional. No realismo dela, porém, é que está toda a sua graça e charme.

Colin Butcher é um detetive, ex-investigador de polícia, que possui uma agência de investigação particular e é apaixonado por animais. Dentre seus inúmeros clientes ao longo dos anos foram vários os pedidos de ajuda para localizar animais desaparecidos ou roubados. Por isso, em paralelo aos serviços oferecidos por sua agência, ele decide se dedicar a ajudar tutores desesperados a resgatar animais de estimação. Assim, nasce a UK Pet Detectives (UKPD). Inicialmente, utilizando apenas sua experiência com casos passados, ele realiza seus primeiros resgates, mas logo percebe que precisa de ajuda para obter uma margem maior de sucesso.

“Observar o meu cachorro localizar a minha gata foi uma das coisas mais incríveis que já vi. Sem que eu percebesse, a ideia ficara impressa na minha mente, mas eu só seria capaz e explorar todo o seu potencial mais de quatro décadas depois.”

Após a trágica resolução do caso do desaparecimento de um gato chamado Oscar, Colin volta a pensar em uma ideia antiga para aprimorar o projeto Red Lion, focado no rastreamento de gatos. Para tanto, precisa de um cão farejador, especializado no reconhecimento de cheiros. O problema está em encontrar os métodos certos e o cachorro ideal.

São muitas as tentativas frustradas e alguns desacertos até encontrar as pessoas certas, que acreditam no potencial da sua ideia e também Molly. A cocker spaniel preta e rebelde de dez meses, abandonada por três vezes, com  problemas de comportamento parece ser uma hipótese improvável. Mas esse encontro é transformador tanto para Molly quanto para Colin.

“Uma vez um grande amigo me disse que, para que uma ideia desse certo, ‘primeiro seria preciso saber o que fazer, depois com quem fazer’”.

O livro parece mais um relato de memórias do que uma biografia. Colin narra suas aventuras com a UKPD desde o início, quando duvidou de que seus planos fossem dar certo, passando pelos períodos de pesquisa e treinamento até as mudanças que Molly trouxe para a sua vida. A narração é empática e muito intimista. Eu tive a sensação de que o autor, como um verdadeiro inglês, me convidou para um chá e dividiu comigo parte da sua vida.

Se a cadela rebelde surpreendeu a todos com sua inteligência e seu sucesso em rastrear gatos, o mesmo acontece em relação à força da mensagem da história. Molly é muito mais do que uma declaração de amor aos animais. É sobre a resiliência de um homem que teve coragem de perseguir um sonho e transformá-lo em realidade. Sobre comprometimento e parceria,  empatia e solidariedade. Encontros inesperados e transformadores. Sobre mudar a vida das pessoas através de gestos simples.

É muito bonito e divertido acompanhar a evolução de Molly, a conexão construída com seu tutor e também com Sarah, a namorada de Colin que sempre preferiu gatos.

“— Nunca desista. E nunca, nunca perca a esperança”

Tenho certeza de que tendo ou não (meu caso) um companheiro animal, essa leitura vai ser deliciosa, inspiradora e emocionante. O trabalho de Colin Butcher é incrível e precisa ser conhecido. Essa é uma obra que definitivamente merece ser lida.

“— Considero Molly o meu Watson — eu disse, o que fez Renu abrir um leve sorriso. — E posso garantir que vamos fazer tudo o que pudermos para trazer Buffy para casa.”

“De novo, minha decisão de encontrar um cão farejador de gatos — e de adotar a maravilhosa Molly — tinha sido total e profundamente justificada. Ser capaz de reunir animais de estimação perdidos e seus ‘pais’ fora a minha motivação desde o início, mas colocar aquilo em prática se mostrou muito mais recompensador do que eu poderia ter imaginado.”

Embora o livro mencione as aventuras de Colin na companhia de Molly até o ano de 2017, os serviços da UKPD continuam ativos no resgate e rastreamento de animais.

01 Comentário

  1. Marina Mafra23 jan, 2020Responder

deixe seu comentário