O Jogo da Mentira

Ruth Ware

Editora: Rocco

Páginas: 352

Ano: 2019

Sinopse:

O texto chegou de madrugada: eu preciso de vocês. Isa sabia do que se tratava, mas esperava nunca ter que ler essa mensagem. Isa larga tudo, e coloca sua carreira e casamento em risco quando volta para Salten, pequeno povoado na costa inglesa, para ajudar uma amiga. O Jogo da mentira é o mais novo sucesso da britânica Ruth Ware. A obra acompanha Isa Wilde, jovem que quando recebe o chamado de Kate Atagon, uma de suas mais antigas amigas, sabe que tem que voltar para o local onde passou o melhor semestre de sua vida. Até que que para ajudar a amiga, Isa, Fatima Qureshy e Thea West tomam uma decisão que para sempre assombrará suas vidas. As jovens estudavam em Salten House, um semi internato para moças, e passavam os fins de semana no moinho a beira do Reach, o estuário local, onde Kate morava com seu pai Ambrose, professor de artes de Salten e seu meio-irmão, Luc. Durante um verão, as meninas se divertiram, nadaram nas águas do Reach, fumaram, beberam e se tornaram as melhores amigas. Nesse período, as amigas costumavam jogar o Jogo da Mentira, uma brincadeira entre as moças de convencer os outros das mais absurdas histórias. Até que elas mesmas não sabem mais diferenciar a verdade da mentira. E dezessete anos depois, algo terrível foi descoberto e o maior segredo das moças está prestes a ser revelado. Sem saber mais o que é verdade, Isa tenta de toda forma ajudar Kate, mas parece que sua amiga ainda está jogando, e acontecimentos estranhos e surpreendentes revelações aumentam ainda mais as suspeitas de Isa. A autora mantem o leitor num sutil equilíbrio, enquanto tece uma trama surpreendente a caminho de um final memorável. Com uma atmosfera opressora e criativas reviravoltas, Ruth Ware faz jus ao título de Agatha Christie dos dias atuais.

Esse é um livro recheado de mistérios, desde o prólogo onde nossa personagem principal recebe uma mensagem suspeita de uma de suas amigas, até o desenrolar dos fatos sobre o conteúdo e as consequências dessa mensagem. O foco principal do livro é a mentira e todas as consequências que ela trouxe para a vida dessas quatro garotas.

“Estou vendo em todos eles o furo feito pela tacha que os prendia ao quadro de cortiça. E pensando que por mais que batalhássemos para sermos livres, era assim que sempre terminava, nós quatro empaladas juntas pelo passado.”

Apesar de ser ficção, esse é mais um daqueles livros que podemos aplicar em nossa vida. Sabemos que a mentira tem perna curta, e ela sempre é descoberta, então de que vale mentir? O inicio da história é um pouco parado, a troca entre passado e presente acontece constantemente e de forma desorganizada, o que me deixou confusa em alguns momentos, mas conforme as páginas vão passando a história ganha outro ritmo e tornou-se difícil largar o livro, tamanha foi a curiosidade em chegar ao final.

“Odeio mentir. Costumava ser divertido, até eu não ter escolha. Hoje em dia não penso muito nisso, talvez porque já faça isso há muito tempo, mas está sempre lá, ao fundo, como um dente que sempre incomoda e de repente dá uma pontada de dor.”

O suspense me agradou, foi bacana a forma como a autora manipulou os fatos e brincou com a minha mente, me deixando pensar sobre os acontecimentos e mantendo um equilibro na narrativa. Apesar dos pesares, considero esse livro uma boa história, e leria outras obras da autora. O final consegue conectar as pontas soltas ao longo da história e isso foi um ponto positivo, pois finais abertos me dão agonia. A amizade entre essas quatro garotas, hoje mulheres, embora não seja perfeita, demonstra que o tempo não apaga tudo, principalmente as mentiras.

2 Comentários

  1. Marina Mafra12 nov, 2019Responder
  2. Jôyssa15 nov, 2019Responder

deixe seu comentário