Soul Love

Lynda Waterhouse

Editora: Melhoramentos

Páginas: 208

Ano: 2006

Sinopse:

Jenna não quer trair os amigos e não revelará o que se esconde por trás de sua expulsão do colégio, assumindo toda a culpa sozinha. Como castigo sua mãe a levou para passar algum tempo com uma tia numa tediosa cidadezinha do interior. É lá que Jenna encontra Gabe, um rapaz autêntico, melancólico e reservado. Completamente diferente de todas as outras pessoas ela conhece. É inevitável: Jenna se apaixona por ele. Será que Gabe é sua alma gêmea? Ele mostra a Jenna a beleza de um céu noturno sem nuvens, escuro, um contraste perfeito para o brilho das estrelas. E, em meio a livros, música, poesia e noites estreladas, o sentimento entre eles se torna cada vez mais forte. Mas Cleo, uma garota antipática que tem uma ligação muito estranha com Gabe, não está gostando nada desse romance. Afinal, ela não quer que ninguém mais saiba o grande segredo de Gabe...

Este é um livro infantojuvenil, o conheci nos meus 13/14 anos, no ano de 2009, o meu ultimo ano do ensino fundamental. Eu estava na fase da adolescência, aquela fase onde nos sentimos mal compreendidos pelo mundo, onde nada parece que dará certo em nossas vidas, onde sentimentos amorosos começam a inflamar em nossos corações e nos sentimos perdidos em meio à longa estrada da vida.

“Essa é uma das coisas que as pessoas não nos ensinam quando falam de crescer: como lidar com as dores que não passam com um beijo.”

Lembro-me perfeitamente que Soul Love me salvou. Essa história mudou minhas perspectivas de adolescente, minha visão sobre a vida, me ajudou a enxergar que nem sempre os meus problemas seriam o centro de tudo, que haveria pessoas com problemas muito maiores e eu sempre deveria ser empática em relação a isso. Eu, no auge na minha adolescência problemática, passei a enxergar verdadeiramente a vida.

“Quando eu ia fugir dali, o garoto voltou a cabeça e, por uma fração de segundos, seus olhos encontraram os meus. Foi como se alguém enfiasse uma pedra de gelo em minhas costas.”

São mais de dez anos com essa história, dez anos da minha vida em que sempre quando me perguntam qual é o meu livro preferido, só consigo pensar em Soul Love. Embora ao longo dos anos eu conheci muitas historias encantadoras e que me marcaram profundamente, nenhuma jamais será como Soul Love. Esse livro me transformou no ser humano que sou hoje. Tudo vem de Soul Love. Todo o amor pela vida e pelas pessoas.

“-Qualquer coisa me tira do sério – disse a ela. – Desde o jeito que meu cabelo fica de manhã até o modo como estamos poluindo planeta. Mas odeio mesmo o fato de que, quando tenho duas opções, sempre acabo escolhendo a pior delas.”

Passei os anos de minha adolescência relendo essa história e voltando para Netherby, revezando meu caminho tanto em Little quanto em Greater Netherby. Vivendo todas as aflições, esperanças e descobertas de Jenna, torcendo para ela se tornar alguém melhor. Passei pelo sebo Sarakai, pensando em qual livro raro eu encontraria por lá, e se seria uma boa ajudante. Passei também pelo salão da Ava e fugi de seus penteados, ri e conversei com o Julius, participei da competição de doughnuts da Aurora, brinquei com Tallulah, odiei Mia, Jackson e Kai, e durante um tempo a Cleo também.

“- Alguns erros podem ser mais dolorosos que outros. Seria muito bom poder desfazer um ou dois dos mais dolorosos. Os erros deviam ser iguais aos desejos reversos. A gente devia ter o direito de refazer três erros da nossa vida.”

Fiquei apaixonada por musica antifolk, participei da Goats in a spin, comi pizza com Charlie, coloquei juízo na cabeça de Freddie, tomei café com os lordes de Netherby em sua grande cozinha, tentei compreender a mente e o coração de Sara, olhei as estrelas e percebi como a noite o céu realmente é perfeito e assim como Jenna, me apaixonei por Gabe, mas também fiquei assustada e preocupada com o segredo dele.

“- Tem alguém lá dentro? – perguntei, ainda prendendo a respiração.

– O vigário precisa ficar aí a noite inteira para tocar o sino.

– Me engana que eu gosto! – respondi. E então vi a expressão o rosto de Gabe.

Ele riu:

– Criatura urbanóide.

– Bicho do mato.

– Patricinha de shopping center.

– Abraçador de árvores.

– Abraçador de Jenna! – Gabe se aproximou e me abraçou com força. Eu podia sentir sua respiração no meu rosto. Ficamos muito tempo ali parados, em silencio.”

No inicio da história Jenna é apresentada como uma adolescente problema, alguém que esconde um segredo e só se preocupa em parecer ser forte para proteger seus “amigos”, mas ao longo das paginas e dos dias, é incrível notar o amadurecimento dela, e isso foi algo que sempre me motivou a ser uma pessoa melhor e corrigir os meus erros.

“De qualquer modo, de que adiantava chorar quando todas as lagrimas do mundo não mudariam a situação?”

Aprendi o que é ser amigo de verdade de alguém, o quão importante é uma amizade verdadeira, e que amigos de verdade jamais te abandonam nos piores momentos, pelo contrario, eles deveriam estar sempre prontos a nos apoiar. Amizades tóxicas como Mia e Jackson, são algo que sempre fujo. Quero ao meu lado apenas pessoas de bom coração e que saibam o que é o poder de uma boa amizade.

“- Quando somos crianças, achamos que tudo tem solução. Um brinquedo quebrado tem conserto. Alguém acende uma luz e nosso medo do escuro desaparece. Crescer talvez signifique tomar consciência de que a vida não é bem assim.”

Eu li pela primeira vez na adolescência, ainda era jovem e sem muitos ideais formados, ou talvez nenhum. Como eu disse, o livro é infantojuvenil, pode ser que algum adulto lendo hoje, não consiga entender o sentido da história da mesma forma que eu na minha adolescência. Bom, paciência né. O fato é que a história é maravilhosa sim, e mesmo relendo mais vezes do que eu me lembro com exatidão, mesmo na fase adulta da vida, mesmo tendo lido vários livros que talvez possam sim ser melhores, Soul Love sempre será o meu preferido. Aquela história que me resgatou, me deu um norte na vida.

“Ser amigo significava compartilhar coisas nas quais se acredita, e não fazer o papel de quem só está ali para satisfazer as vontades de uma ou mais pessoas. E, se você não consegue perdoas as fraquezas dos seus amigos, é melhor ficar sem eles.”

Eu amo a Lynda Waterhouse e sempre irei amá-la por ter me dado essa história de presente. Meu amor por ela aumentaria profundamente se essa rainha lançasse uma continuação para Soul Love, espero isso há tanto tempo, já li tantas entrevistas onde ela afirma sim pretender lançar e já existe até um nome: Soul Search. A esperança é a ultima que morre né? Ainda aguardo por essa continuação. Gostaria de parabenizá-la pelo assunto de suma importância que ela abordou em um romance para adolescentes, essa conscientização foi algo que sempre levei comigo pela vida e sempre levarei.

“Gostaria que mais pessoas entendessem que não há limite para o processo de crescimento. Algumas pessoas podem ser maduras aos dezesseis anos, outras podem agira como crianças mimadas durante a vida toda.”

Ainda não sei se consegui falar tudo o que realmente sinto ou precisava, talvez eu nunca consiga explicar ou mensurar o quanto eu amo essa história e o quanto queria que todos lessem Soul Love e se apaixonassem por esse livro encantador. Já são mais de dez anos olhando para o céu às dez da noite todo primeiro sábado de agosto e procurando Cassiopeia ao norte, assim como Jenna e Gabe.

 

2 Comentários

  1. Marina Mafra12 jun, 2020Responder

deixe seu comentário