Todas as pequenas luzes

Jamie McGuire

Editora: Verus

Páginas: 350

Ano: 2018

Sinopse:

Quando Elliott Youngblood vê Catherine Calhoun pela primeira vez, ele é apenas um garoto com uma câmera nas mãos que nunca viu algo tão triste e tão belo. Os dois se sentem excluídos e logo se tornam amigos. Porém, no momento em que Catherine mais precisa dele, Elliott é forçado a sair da cidade. Alguns anos depois, Elliott finalmente retorna, mas ele e Catherine agora são pessoas diferentes. Ele é um atleta bem-sucedido, e ela passa todo o tempo livre trabalhando na misteriosa pousada de sua mãe. Catherine ainda não perdoou Elliott por abandoná-la num momento difícil, mas ele está determinado a reconquistar a amizade dela ― e a ganhar seu coração. Bem quando Catherine está pronta para confiar outra vez em Elliott, ele se torna o principal suspeito em uma tragédia local. Apesar da desconfiança de todos na cidade, Catherine se agarra ao seu amor por Elliott. Mas um segredo devastador que ela esconde pode destruir qualquer chance de felicidade que os dois ainda têm.

Sabe aquele tipo de livro que pelo título e capa julgamos (tá errado rs) ter um enredo totalmente voltado para os dramas de adolescentes?

Não estou aqui para dizer que não gosto, pelo contrário, eu sou a louca do YA, mas, Jamie McGuire me surpreendeu pela forma como tudo fora abordado neste livro.

Posso afirmar que, além do bullying estar totalmente presente no decorrer das páginas – um assunto que necessita ser colocado em pauta sempre -, temos também outras questões como relacionamento abusivo, depressão, entre outros que veremos apenas no final do livro 🙊.

“As coisas mais importantes devem ser seguras, felizes e saudáveis, e muitas vezes essas coisas são sinônimos.”

A chegada das férias de verão eram sempre esperadas com muita ansiedade por Elliott. Se livrar das constantes brigas dos pais e poder visitar seus amados tios na pequena Oak Creek, era tudo que o garoto queria. Fotografia era sua principal válvula de escape, passar os dias escalando as árvores para capturar momentos, o libertava de suas angústias e anseios. Contudo, a melhor parte dele ficava para a pequena vizinha Catherine, a garota mais linda que seus olhos já viram, uma beleza ímpar, mas que tinha sempre os olhos tristes e distantes.

Catherine era uma garota meiga e estudiosa, tinha o pai como seu herói e vivia os melhores momentos da vida em sua companhia. Mesmo assim, a tristeza a assolava pelas constantes mudanças de humor de sua mãe, suas explosões e melancolia atingiam a pequena Catherine com força total.

Os garotos tinham muito em comum, mas o desequilíbrio de suas famílias os fizeram grandes amigos. Eles não estavam mais sozinhos com seus traumas, tinham um ao outro para esquecer as dores que os cercavam. Mas, num fatídico dia, a vida de Catherine perde o rumo, e nesse mesmo dia Elliott parte sem se despedir, levando consigo a revolta, a dor e a saudade. Nada disso fora o planejado, mas o tempo passou e profundas rachaduras fizeram parte de suas vidas.

Sem notícias. Sem abraço. Sem presença.

Nesse meio tempo, a autora nos apresenta uma passagem de tempo. Dois anos se foram, mágoas e dores foram as maiores companhias dos garotos, mas a partir desse momento é que conseguimos perceber o amadurecimento de cada um.
Elliott voltou para Oak Creek como um quarterbeck de sucesso, e Catherine encontrava-se mergulhada numa vida solitária, tendo que cuidar não apenas de si, mas da mãe e da pousada em que fora transformada sua casa. Uma responsabilidade prematura, mas necessária.

O quarterbeck não necessitava apenas reconquistar a amizade de Catherine, mas, sobretudo, o seu amor.

“Você partiu meu coração. Mesmo se a gente conseguisse voltar a ser o que era antes… Aquela menina que você conheceu, ela não existe mais.”

Uma das coisas mais relevantes da história, foi a construção do relacionamento dos personagens; Ele foi desenvolvido durante todo o livro, e não ficou apenas para o final; Isso não fez com que a leitura se tornasse arrastada ou finalizada, pois existia um segredo por detrás das portas da pousada em que Catherine vivia, bem como o desaparecimento da garota que fazia bullying com a mesma, tornando Elliott o principal suspeito. Esses segredos sem dúvidas foram a chave mestra para deixar fluir a leitura de forma surpreendente.

Todo esse mistério ronda a história desde o início, então, acabamos criando diversas teorias, apontando o dedo para cada um dos personagens. Porém, devo alertar que pode esquecer e continuar a leitura, pois as revelações são bombásticas e abordadas de forma surreal, mas, apenas nas últimas páginas.

“Se eu contasse o que tinha passado e o que estava passando, ele acreditaria em mim e me protegeria, mas eu não sabia se conseguiria fazer o mesmo por ele. A verdade só o aprisionaria, como aconteceu comigo. Ele não podia saber, não podia enfrentar.”

“Todas as pequenas luzes” apresenta uma mistura de gêneros – na minha humilde opinião -.
A pousada onde a Catherine vivia era cheia de mistérios e coisas estranhas, chegando a nos dá calafrios e apreensão. E o final? Com certeza é digno de um bom thriller, principalmente por não fazermos ideia do que estava por trás daquelas portas, e, ao mesmo tempo somos agraciados com um lindo romance, que quebra a barreira do tempo e das adversidades da vida, nos deixando ansiosos pelo desfecho.

Por fim, ressalto que apesar de aqui ser abordado tantos assuntos sensíveis, ficamos encantados com a história de vida dos personagens e acabamos torcendo a cada minuto para que eles pudessem, enfim, conquistar uma vida normal.

A Jamie McGuire, tem uma escrita muito fluída, e trouxe muitos elementos que nos prendem a história, sem nunca perder o fio da meada.

“Minha gaiola estava prestes a se abrir. Pela primeira vez em muito, muito tempo, eu não sabia o que aconteceria em seguida “

 

4 Comentários

  1. Marina Mafra27 abr, 2020Responder
    • Taize Lima26 maio, 2020Responder
  2. Stefânia Alves27 abr, 2020Responder
    • Taize Lima26 maio, 2020Responder

deixe seu comentário