Um lugar só nosso

Editora: Seguinte

Páginas: 332

Ano: 2020

Sinopse:

Lucky é uma jovem estrela do K-pop. Talentosa e cheia de determinação, tem como próximo objetivo expandir sua carreira para o ocidente, e um passo importante para isso está prestes a acontecer: ela vai participar do programa norte americano Later Tonight Show, alguns dias depois do último show de sua turnê, em Hong Kong. O problema é que, por mais que tenha o mundo ao seus pés, Lucky ainda tem dúvidas de que essa é a vida que realmente deseja. Jack está em seu ano sabático, entre o fim do colégio e o início da faculdade - ou, pelo menos, é o que ele diz para a família. Apaixonado por fotografia, tudo o que deseja é entrar em um curso de artes, mas não sabe como contar isso aos seus pais. Para conseguir se sustentar, faz bicos como paparazzo para um tabloide sensacionalista, e quando conhece Lucky tem o maior furo que poderia desejar bem à sua frente. Durante um fim de semana em que fingem ser outras pessoas, Lucky e Jack vão descobrir mais sobre si mesmos do que imaginavam -e viver um romance digno de uma canção de sucesso.

Essa leitura foi mais uma viagem do clube de assinaturas Turista Literário. Além de um livro, todo mês os assinantes recebem brindes sensoriais inspirados na história. Para ver as outras leituras que fiz pelo clube clique aqui.

Éramos como as estrelas quando vistas da Terra – uma lembrança de algo que já encontrara seu fim. (Pág. 187)

A história toda se passa basicamente em um final de semana. Lucky era uma estrela da música que estava sobrecarregada pelo sucesso da carreira, peso da agenda e regras dos empresários. Uma noite, após sua equipe dormir, ela fogiu do hotel em busca de algo para comer, mas fragilizada pelas medicações para o seu emocional, não pensou no risco que essa aventura colocaria sua vida e carreira, mesmo com todo o disfarce que ela acreditava usar, cobrindo o rosto com um boné (Maluca!).

Por sorte, Jack a encontra e percebendo as condições na moça, se sente na obrigação de protegê-la, mesmo ela não sabendo que precisa de proteção.

Os dois acabam vivendo as maiores trapalhadas. Lucky precisava desse escape, no anonimato e Jack precisava que ela não desconfiasse que ele sabia quem ela era, pois esse tempo com a estrela salvaria a sua carreira.

Ela aceita o convite dele para explorar Hong Kong e o passeio acaba se tornando turístico até para o leitor. Fiquei empolgada ao saber que os incensos enviados na malinha do Turista, vieram do próprio templo que eles visitaram na história.

Embora tenham passado momentos incríveis, ambos mentiram para o outro e isso nunca acaba bem, né?

Quando eles descobrem o que foi real do papel que interpretaram, é que entendem a necessidade de algumas mudanças para alcançar o que eles realmente queriam na vida.

Gente, que história linda!

Uma lição sobre até os nossos sonhos realizados nos exigirem esforços para mantê-los.

É narrado em primeira pessoa, alternando entre os protagonistas. Com uma escrita adolescente a autora me envolveu muito, me senti transportada para Hong Kong. Quero até visitar agora. Haha

Obrigada por mais uma viagem incrível, Turista Literário!

…um pouco de egoísmo fazia muito pela pessoa. (Pág. 323)

01 Comentário

  1. Bruna Dias Alves13 abr, 2020Responder

deixe seu comentário